Telemedicina

Telemedicina: ela veio para ficar?

Esta crise global em curso forçou as instituições de saúde e órgãos reguladores a recorrer a formas alternativas de fornecer cuidados de saúde, limitando a exposição ao vírus. E a telemedicina se apresenta como a solução ideal para esses problemas, limitando o deslocamento de pacientes para hospitais, alocando capacidade hospitalar para casos importantes, ao mesmo tempo em que reduz a propagação da doença.

 

Apenas alguns meses atrás, ninguém poderia ter previsto a extensão do efeito do COVID-19 na sociedade. Países inteiros estavam bloqueados em uma tentativa de limitar a propagação do vírus. A saúde digital se apresenta como uma solução adequada nessas circunstâncias.

À medida que empresas e até escolas adotam a solução de trabalho em casa, a consulta remota também se tornou uma opção cada vez mais atraente na área de saúde. A pandemia da COVID-19 trouxe a telemedicina a uma nova luz. Como os profissionais médicos precisam se manter saudáveis ​​e livres de doenças, a necessidade de tecnologias remotas disparou. A OMS defende a telemedicina para monitorar pacientes e reduzir os riscos de propagação do vírus nos hospitais.

Uma opção pronta

A telemedicina é uma opção adequada para aliviar a carga das infraestruturas de saúde existentes. É uma solução prontamente disponível que permite que aqueles que seguem o tratamento para outras condições continuem fazendo isso ou até mesmo filtrem casos potenciais de COVID-19 remotamente.

Hoje, o campo da telemedicina está mudando mais rápido do que nunca. À medida que a tecnologia avança em níveis exponenciais, o mesmo acontece com a disponibilidade generalizada e acessibilidade às ferramentas básicas de telemedicina. Por exemplo, não só agora temos a tecnologia para telemedicina de vídeo ao vivo, mas grande parte da população já tem experiência com aplicativos de vídeo chat online e acesso a um computador ou dispositivo móvel para usá-los.

Uma nova era na saúde

A telemedicina foi originalmente criada como uma forma de tratar pacientes que estavam localizados em lugares remotos, longe das unidades de saúde locais ou em áreas com escassez de profissionais médicos. Embora a telemedicina ainda seja usada hoje para resolver esses problemas, ela está se tornando cada vez mais uma ferramenta para atendimento médico conveniente. O paciente conectado de hoje quer perder menos tempo na sala de espera do médico e obter atendimento imediato para condições menores, mas urgentes, quando precisam.

Essa expectativa por um atendimento mais conveniente, combinada com a indisponibilidade de muitos profissionais médicos sobrecarregados, levou a telemedicina a se tornar uma forma de dar às práticas médicas uma vantagem em um cenário competitivo de saúde.

Também impactando o crescimento da telemedicina hoje está o crescente campo da saúde móvel. Com a ampla variedade de aplicativos móveis de saúde e novos dispositivos médicos móveis que são amigáveis ​​ao consumidor, os pacientes estão começando a usar a tecnologia para monitorar e rastrear sua saúde. Dispositivos médicos simples de uso doméstico que podem tirar sinais vitais e diagnosticar infecções de ouvido, monitorar os níveis de glicose ou medir a pressão arterial permitem que os pacientes coletem as informações médicas necessárias para o diagnóstico de um médico, sem precisar ir ao consultório. E, novamente, à medida que mais pacientes se tornam proativos no uso da tecnologia para gerenciar sua saúde, eles também ficam mais abertos a maneiras alternativas de obter atendimento – por meio da telemedicina!

Leia também:

Educar os colaborados para o uso das novas tecnologias é fundamental 

BI na Saúde para tomada de decisão

Futuro da Telemedicina

Há muito o que ser otimista sobre o futuro da telemedicina. Com os rápidos avanços da tecnologia, é provável que a telemedicina se torne mais fácil e mais amplamente aceita nos próximos anos. Os óculos inteligentes (como o Google Glass) e os relógios inteligentes (como o Apple Watch) já podem monitorar os dados de saúde dos pacientes e transmiti-los em tempo real aos profissionais de saúde. Alguns programas podem analisar o estado emocional de uma pessoa com base em suas expressões faciais e podem ser usados ​​para monitorar o bem-estar mental. Há também, as startups de saúde digital que estão fazendo experiências com a transcrição automática de documentação durante a visita de um paciente. Os avanços nas cirurgias robóticas permitem que os cirurgiões operem pacientes à distância.

Para acompanhar o ritmo que a tecnologia está avançando, a telemedicina naturalmente precisará superar outras barreiras administrativas, como restrições colocadas na prática da telemedicina pela legislação. O futuro da telemedicina é brilhante e a demanda provavelmente superará essas barreiras.

Telemedicina na eMed

A eMed busca sempre o melhor para os gestores de saúde, e por isso, está incluindo a telemedicina como um dos recursos oferecidos. Quem conhece a empresa sabe da excelência dos produtos e agora não será diferente.

Se você já é nosso cliente, converse com o seu consultor de vendas sobre a telemedicina e se não, entre em contato agora e solicite mais informações. Se o mundo muda e evolui, a eMed te auxilia com a tecnologia. 

eMed Tecnologia - Todos os Direitos Reservados | www.emed.com.br - 2019